Legítima defesa - Ricardo Salles
Legítima defesa

O Brasil já teve mais paz. Nas cidades e no campo, nas ruas e nos lares, nossa sociedade ficou cada vez mais desamparada nos últimos 30 anos. Essa situação foi causada por medidas como o desarmamento civil, realizado contra a vontade popular. Somos contra o desarmamento civil por diversas razões, das quais listamos abaixo apenas as essenciais:

  1. Segurança pública não é segurança privada. A polícia não tem obrigação nem capacidade de atender cada agressão da bandidagem às pessoas de bem. Com a escassez de polícia que temos em muitos municípios, e em especial na zona rural, a segurança privada às vezes acaba sendo a única maneira de resolver esse tipo de conflito. A segurança pública complementa a segurança privada.
  2. Sem legítima defesa, o bandido tem a certeza de que pode cometer crimes quando quiser. Impedir a legítima defesa é dizer ao bandido que o crime compensa, que é uma atividade segura pra ele.
  3. Tirar uma licença de uso de arma deve ser como tirar carta de motorista. Tem que ter exame, treinamento e autorização. Ninguém quer camelô vendendo revólver na rua.
  4. Imagine que você pagasse a autoescola, o Centro de Formação de Condutores, passasse no exame direitinho, mas quando chegasse a sua vez na fila do Detran, o funcionário negasse a habilitação, por você não ter como comprovar que você realmente precisa dirigir. É assim que funciona a licença para uso de arma no Brasil de hoje. Não faz sentido nenhum. Tem que ter regras, mas elas devem valer para todos.
  5. Toda ditadura começa com desarmamento. Para ver isso, não precisa nem ir atrás dos genocidas da primeira metade do século passado — é só ver o que está em curso na Venezuela: desarmamento da sociedade e criação de milícias do governo.